quarta-feira, 17 de outubro de 2012

terça-feira, 9 de outubro de 2012

É o 211

 

À mesa, disse-me um amigo, não há muito tempo. Ele é como um grande coelho cor-de-rosa que passa nas costas de um grupo de jogadores de cartas. Ele é simultaneamente o coelho, os jogadores, o mobiliário onde se sentam e jogam, as cartas e a essência do jogo. Descreve o tempo, a solidão e a qualidade de cada momento, como se tudo, mas mesmo tudo, pudesse ser pintado no mesmo plano.